Literatura

Centenário de Vinicius de Moraes

By on 19 de outubro de 2013

Falar de ídolos parece sempre ser fácil, mas nesse caso não é. Não que o ídolo em questão seja  difícil de se entender, mas porque tudo o que escrevo parece ser pequeno demais, simples demais para ele.
Estou falando aqui do mais apaixonado poeta brasileiro, o maior sonetista, “o único que realmente viveu como poeta”, como disse uma vez Drummond em uma  ocasião bem triste. É o Vinicius de Moraes. O poetinha da paixão, aquele que já veio com o nome no plural.
É Vinicius que tocou meu coração pela primeira vez com o Soneto de Fidelidade. Foi ele quem escreveu a Bossa Nova, tão linda, mas que só é realmente bem valorizada fora do Brasil.
Vinicius é exclamação! É sentimentalismo misturado a uma graça de garoto. Ele era assim, e ainda continua vivo, eu sinto isso. Sei que continua. Pelo menos em mim. Ele fala comigo através de versos, sonetos e decassílabos. É assim, nossa comunicação surge através dos tempos que já se passaram.

Foi você que se foi cedo demais ou fui  eu quem demorei para chegar? Nos desencontramos meu poetinha querido. Contudo, sei que você sabia de mim, assim como hoje eu sei de você. Senão seria impossível eu me identificar em tantos poemas, músicas, rimas suas. Sei que você sabia da minha existência, mesmo ela ainda não existindo em seu tempo. Senão, como seria possível? Eu me vejo em quase todos os seus versos. Nós temos uma ligação. Poeta Camará!
De todos os meus sonhos você é o mais difícil. Como vou poder te encontrar meu poetinha? Como vou poder te abraçar e te dizer que sou a maior fã que você tem! COMO? Como vou poder sonhar em olhar nos seus olhos enquanto você canta uma de suas músicas mais bonitas pra mim?
Pois é, meu amiguinho Vinicius! Eu POSSO SIM sonhar com isso. Somente sonhar, poetinha! Assim como você fez, assim como você faz, pois você continua vivo!

Com Gilda Matoso

Vinicius de Moraes, década de 1980

Vinicius de Moraes, década de 1980

Com Luis Inacio da Silva no ABC paulista, durante o primeiro de maio de 1979

Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes

Com Chico Buarque

Com Cristina Gurjão, c.1970

Vinicius e Marta Rodriguez em Buenos Aires

Vinicius e Tom Jobim, 1978

Vinicius eToquinho, 
Com Tom Jobim e Edu Lobo

Com Tom e a filha Maria de Moraes

Com Tom e Toquinho, Paris 1972 
Com Tom Jobim, Aloisio Oliveira, Toquinho, Edson Frederico, Miúcha, 1977

Hoje é o centenário do maior Poeta do Brasil.
Ele merece todas as honras, todas as homenagens! Faça a sua também, ele merece.

*Todas as fotos pertencem ao site http://www.viniciusdemoraes.com.br/

A autora deste texto é jornalista. Extremamente sensível. Viciada em café. Amante de poesia e, às vezes, da seus palpites fashionistas. Atualmente este blog também está hospedado no Portal Bonde. Sentem-se e fiquem à vontade.

Leia mais