Literatura

Os Heróis do Olimpo/ O Herói Perdido – Resenha

5 de julho de 2016
Minha experiência com a mitologia grega começou lá atrás, quando eu ainda assistia ao desenho do Hércules, na TV. Mas, caros leitores, minha paixão nasceu, de fato, depois que assisti pela primeira vez Percy Jackson e os Olimpianos (sim, o filme antes do livro. Me julguem). Assisti os dois filmes na TV e quando chegou aquele momento em que a Thalia acordou depois de passar anos sendo uma árvore (coitadinha) eu fiquei na necessidade de saber o que aconteceria depois, já que ela era filha de Zeus.

Então aconteceu! Sim, eu tive meu encontro com os livros do Rick Riordan, ou titio Rick para os mais íntimos e não consegui mais largar. Foi um amor tardio, já que todos os livros já haviam sido lançados, mas é sentimento verdadeiro.

Me explica melhor

A primeira saga, que foi intitulada de Percy Jackson e os Olimpianos é uma série literária composta por cinco livros. Nele o protagonista é, obviamente, o Percy, filho de Poseidon, o deus do mar. Toda a história é baseada na mitologia grega, o que já é apaixonante por si só. Mas, o que torna isso mais legal é que o autor criou um ambiente moderno, visto que ele trabalha com a vida de uma nova geração de filhos dos deuses gregos. Essas crianças moram em um acampamento, que é chamado de ‘Acampamento Meio Sangue’, onde são treinados para enfrentar todo tipo de monstros.

O Herói Perdido



A história começa com Jason acordando em um ônibus escolar sem ter a mínima noção de onde está e muito menos de quem é. Ao lado dele está Piper, que diz ser sua namorada e Leo, o melhor amigo. Logo de cara começa a ação! O ônibus é atacado e seu treinador é levado misteriosamente. As referências da história anterior começam a aparecer, já que Annabeth e todo o acampamento se uniu a procura de Percy, que está desaparecido (‘O Herói Perdido’).

Tudo acontece muito rápido e, como nos livros anteriores, você chega a ficar com a respiração ofegante. O que torna um livro fácil de ser lido em alguns dias, apesar de ter 439 páginas. E a grande é que o autor misturou mitologia romana em meio à história, dando um sabor diferente ao que estávamos acostumados. Confesso senti falta da presença dos deuses nesse livro. Aqui eles quase não apareceram, mas tiveram papel fundamental na aventura.

Outra coisa que eu amo no Riordan é o fato dele terminar as aventuras com uma deixa para a próxima aventura. Dessa vez, é somente na última frase do livro que algumas coisas começam a fazer sentido e eu sinto que Percy reaparecerá no próximo (para a nooooossa alegriaaa).  

Katiuscia Mizokami
A autora deste texto é jornalista. Extremamente sensível. Viciada em café. Amante de poesia e, às vezes, da seus palpites fashionistas. Atualmente este blog também está hospedado no Portal Bonde. Sentem-se e fiquem à vontade.
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *